fabíola borges

horas vagas

junho 11, 2017
Nada tá parado, tudo tá em mutação. E eu nasci aqui, sou obrigado a participar de todo esse processo de mutação que tá rolando. O que eu quero é escolher como participar, porque as escolhas foram programadas, são impostas; a partir do condicionamento escolar. Quando a criança entra na escola, vão dizer pra ela que "você não pode se divertir enquanto aprende". Aprender é divertido. Tem que ser divertido, tem que ser com prazer. Mas a criança já vai sendo enquadrada para encarar o trabalho como um sacrifício. [...] "Você vai aprender na hora do recreio", setoriza a sua alegria. "Você vai se divertir nas horas vagas", e no fundo, você vai viver nas horas vagas. Você vai fazer o que gosta nas horas vagas. Você está sendo programado para odiar o seu trabalho, pra adorar a sexta-feira. Pra você, quando for se divertir, estar tão pressionado que não vai se divertir, você vai descarregar, e nesse descarrego você vai consumir. E nesse consumo você vai dar lucro.

— do documentário observar e absorver (46:48); eduardo marinho.

Seja o primeiro a comentar: